O projecto de formação da OSSO foca-se em pedagogias que surgem no espaço do contacto directo entre o artista-formador, o participante e o contexto territorial desse evento, nas suas dimensões culturais, geográficas, afectivas, sociais e políticas.
Este projecto estrutura-se em dois eixos principais: um que se foca em tutorias ou oficinas com conteúdos e métodos mais específicos à prática e investigação artística mais avançada, e outro que implica a criação de espaços de formação artísticas mais iniciais ou introdutórios e que carecem de contacto mais pontual e introdutório.
Neste contexto criou dois programas de carácter oficinal destinados a públicos diferentes, mas sempre complementares: as “comunidades artísticas” e as “comunidades abertas”.

Estes programas incluem tanto propostas de membros do colectivo como de artistas e investigadores convidados. Desenhados em articulação com parceiros nacionais (outros colectivos e universidades) e locais (Centro de Apoio Social da Freguesia de São Gregório; Junta de Freguesia Pópulo, Coto e São Gregório e Escola Primária de São Gregório), exploram estratégias pedagógicas alternativas e não formais no contacto com as comunidades específicas a que cada oficina se dedica, com um enfoque nos cruzamentos disciplinares ou pós-disciplinares de matriz artística.