Um Livro estra-terrestre

Residência de Catarina Botelho com alunos da Escola Básica de São Gregório. Residência integrada na programação da EIRA #1.

“O que acontece quando decidimos olhar tudo o que nos rodeia, aquilo que vemos todos os dias, como se como se fosse a primeira vez? como se nunca tivéssemos aprendido o nome das coisas, para que servem, como se nunca lhe tivéssemos tocado a superfície ou escutado os seus sons?

Um livro extra terrestre propõe uma viagem pelos lugares onde vivemos, como se fossemos a uma terra estrangeira, longínqua. Num apelo a uma observação atenta, procura-se um movimento que nos desloque, que nos mova.

Esta proposta invoca o conceito de sociologia da imagem, de Silvia Rivera Cusicanqui, que a pensadora define como o uso de métodos de análise e pesquisa que os antropólogos visuais ocidentais aplicam a culturas e povos que lhes são estranhos, numa metodologia de raiz colonial, ao nosso próprio quotidiano. Uma chamada a desfamiliarizar, a desaprender, a estranhar, como forma de análise e conhecimento mais aprofundado e crítico da sociedade em que vivemos, daquilo que de alguma forma somos ou reproduzimos.

O enunciado da actividade foi elaborado para cativar um público infantil, em que cada participante é convidado a vestir a pele de umx extra terrestres acabadx de chegar à Terra. Mas este é um desafio para o qual gostaríamos de convidar pessoas de todas as idades a aderir.”

“Um livro extra-terrestre”  por Catarina Botelho

Apoios:
Local: Aldeia de São Gregório
Data: Entrega do kit para realização da oficina 27 de junho de 2020.